E se o “Balão Mágico” existisse nos tempos de hoje?